Taça Davis: Portugueses confiantes na vitória e permanência no Grupo I

 O capitão Nuno Marques e o tenista Pedro Sousa estão confiantes numa vitória frente à Ucrânia e a permanência no Grupo I da Zona Europa/África da Taça Davis, após o empate registado hoje na primeira eliminatória do ‘play off’.

“Amanhã [sábado] temos de ganhar dois pontos e acho que isso é possível”, avançou Nuno Marques em declarações à Lusa, logo após os dois encontros de singulares disputados hoje no Campa Tennis Club, em Bucha, arredores de Kiev.

Enquanto João Sousa, o número um nacional e 49.º ATP, bateu Illya Marcheko (337.º ATP) e conquistou um ponto para a Seleção Nacional, Pedro Sousa, número dois português e 144.º no ‘ranking’ mundial, não conseguiu superar Sergiy Stakhovsky (142.º) e cedeu o outro ponto em discussão no primeiro dia da eliminatória.

“O João teve um encontro duro. Foi um primeiro ‘set’ bastante difícil frente a um adversário sólido, adaptado às condições, a jogar um bom ténis e consistente. O João não entrou tão bem, teve mais dificuldades para impor o seu jogo, mas reagiu muito bem no início do segundo ‘set’ e a partir daí acho que se notou a superioridade do jogo dele”, avaliou o capitão português.

Pedro Sousa, por sua vez, enfrentou o número um ucraniano e não teve grandes oportunidades de contrariar “um adversário muito bom, um pouco acima das expectativas”, como destacou Nuno Marques.

“Sabíamos que ele jogava bem, mas está um pouco acima do que esperávamos. Está muito adaptado, é inteligente e o Pedro teve poucas oportunidades. Teve uma com 15-40 para fazer 2-0 no segundo ‘set’, em que o jogo poderia ter virado um bocadinho, mas o árbitro não chamou uma bola que poderia ter chamado. Embora tenha lutado bastante, o Pedro não fez um jogo mau”, defendeu.

Tal como o capitão da equipa portuguesa, Pedro Sousa reconheceu a superioridade de Stakhovsky, que ainda este ano bateu João Sousa na primeira ronda de Wimbledon.

“Foi um encontro difícil. O meu adversário teve muito mérito na maneira como jogou. Tive as minhas oportunidades, principalmente no final do primeiro ‘set’ e no início do segundo, mas não consegui aproveitar. Podia ter jogado melhor, mas, no global, não foi um jogo mau. Não tenho jogado muito em piso rápido e tenho de dar mérito ao adversário que foi melhor que eu”, sublinhou o lisboeta.

Após o empate de hoje, a eliminatória está em aberto e sábado decide-se, num encontro de pares e dois de singulares, qual das duas seleções garante a permanência no Grupo I da Zona Europa/África da Taça Davis.

A equipa derrotada terá ainda mais uma ronda de ‘play off’, no caso frente à África do Sul, em outubro, para tentar evitar a descida de Divisão.

Para o encontro de pares o capitão português escalou João Sousa e Gastão Elias, que vão defrontar Denys Molchanov e Sergiy Stakhovsky. No primeiro singular do dia, o vimaranense volta ao ‘court’ para medir forças com Stakhovsky, antes de Pedro Sousa defrontar Illya Marchenko no último encontro de singulares da eliminatória.

Este artigo foi publicado originalmente no SAPO Desporto


 

 

Antigo presidente da IAAF suspeito de mais um caso de corrupção

Basquetebol: Carlos Andrade deixa o Benfica