Prata no concurso completo de trampolins foi furto de esforço grandioso

O treinador português de trampolins considerou hoje que a medalha de prata conquistada no concurso completo dos Mundiais é fruto do “esforço grandioso” da federação, de treinadores e, sobretudo, dos ginastas.

“A medalha representa o esforço grandioso de uma federação, clubes, treinadores e em especial dos ginastas, e representa bem o dito de que ‘a sorte dá muito trabalho'”, disse Carlos Matias, em declarações à agência Lusa.

Na quinta-feira, em São Petersburgo, na estreia do concurso completo em Mundiais de trampolins, a seleção portuguesa terminou com 24 pontos, menos três do que a China, primeira campeã do mundo de ‘all-around’, enquanto o Canadá arrecadou a medalha de bronze, em igualdade com Portugal.

A equipa lusa foi composta por Mariana Carvalho e Diogo Abreu (trampolim), Raquel Pinto e Diogo Vilela (tumbling), Mafalda Brás e Diogo Carvalho (duplo minitrampolim) e as duplas feminina e masculina de trampolim sincronizado, constituídas por Marina Carvalho e Nicole Pacheco e por Diogo Ganchinho e Pedro Ferreira.

Carlos Matias admitiu que um bom resultado no ‘all round’ era uma aposta portuguesa: “A nossa intenção era ocuparmos honrosamente o nosso lugar no mundo dos trampolins. O ficar na história por ser a primeira edição é ainda mais gratificante, e, portanto, foi alvo de especial atenção na seleção e preparação dos ginastas em prova.”

Este artigo foi publicado originalmente no SAPO Desporto


 

 

Acidente de viação de jogador sul-coreano provoca vítima mortal

Miguel Oliveira “impressionado” com as emoções em quatro rodas