Miguel Oliveira “impressionado” com as emoções em quatro rodas

O piloto português de Moto2, Miguel Oliveira, esteve hoje no Autódromo do Estoril a testar um carro do nacional de ralis e admitiu que, no futuro, pode trocar as duas pelas quatro rodas.

“Para já prefiro as duas rodas, que, sem dúvida, é aquilo que domino mais, mas conduzir este carro deu-me uma sensação de grande adrenalina. Fiquei muito impressionado com a forma como o carro curva, trava e acelera, e surpreendeu-me o facto de, apesar de a velocidade não ser muita, tudo se passar muito rápido”, contou o piloto de Almada, que teve como ‘professor’ o piloto de ralis Armindo Araújo, mas, mesmo assim, não evitou um despiste no circuito do Estoril.

“O nível dele é outro. Ele ia a conduzir e a falar comigo ao mesmo tempo, da forma mais natural. Nessa altura, já eu estava a suar das mãos”, disse o piloto, admitindo mesmo que, no futuro, a sua carreira possa passar pelos automóveis.

“É algo que me agrada. A minha paixão é competir ao mais alto nível. Neste momento estou no MotoGP, mas quem sabe no futuro possa fazê-lo noutro ramo da competição. O SSV foi uma experiência que quero repetir e o rali veio definitivamente para ficar”, disse o piloto da KTM.

Quanto ao mundial de Moto2, Valência recebe em 18 de novembro a última corrida da época e, apesar de já se ter sagrado vice-campeão, o piloto português diz que vai lutar por fechar a época com um triunfo.

“Ganhar é o objetivo. É a isso que nos propomos a cada corrida e Valência não será diferente”, afirmou o piloto, num dia em que anunciou a parceria com uma marca de automóveis sul-coreana.

Miguel Oliveira sagrou-se vice-campeão de Moto2 depois de já ter sido o segundo classificado no Mundial de Moto3 em 2015.

Com uma prova por disputar, Francesco Bagnaia já é campeão, com 32 pontos de vantagem sobre o português da KTM.

O Mundial de Moto2 encerra com o GP da Comunidade Valenciana, em 18 de novembro.

Este artigo foi publicado originalmente no SAPO Desporto


 

 

Prata no concurso completo de trampolins foi furto de esforço grandioso

Especialista em medicina do desporto afirma que lesão de Welbeck "pode ditar o fim da carreira"